Beatriz Duarte - 15 anos

Londrina, 6 de agosto de 2015

:: Aniversários ::

De Janeiro a Janeiro

Não consigo olhar no fundo dos seus olhos
E enxergar as coisas que me deixam no ar, deixam no ar
As várias fases, estações que me levam com o vento
E o pensamento bem devagar

Outra vez, eu tive que fugir
Eu tive que correr, pra não me entregar
As loucuras que me levam até você
Me fazem esquecer que eu não posso chorar

Olhe bem no fundo dos meus olhos
E sinta a emoção que nascerá quando você me olhar
O universo conspira a nosso favor
A consequência do destino é o amor
Pra sempre vou te amar

Mas talvez você não entenda
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro
Até o mundo acabar

Até o mundo acabar
Até o mundo acabar
Até o mundo acabar

Mas talvez você não entenda
Essa coisa de fazer o mundo acreditar
Que meu amor não será passageiro
Te amarei de janeiro a janeiro
Até o mundo acabar

Até o mundo acabar
Até o mundo acabar
Até o mundo acabar
De janeiro a janeiro

Nando Reis


Ficha Técnica:

{31/07/2015} Fotografia: M.Marinho (Marinho, Renilson Guimarães) / Filmagem: M.Marinho (Gabriel Leite, Renan Soriani) / Assessoria: DUO Eventos – Silvana Lunardelli / Decoração: Ana Flor – By Ana Forte / Festa: Planalto  / Cabelo: Eliana Duarte / Maquiagem: Camila Junco  / DJ: Rafael Cazella / Iluminação: Mixa Som / Pista Adesivada e Almofadas: Silvia Zotarelli  / Forminhas: Regina Lucia / Bolo Fake, Bolo e Cup Cakes: Casa Kuka / Doces: Isabela Yenes / Brigadeiro: Rafaela Perini / Cortinagem: Art Tendas / Material Gráfico: Fabiana Costa / Kit Tollite: Talita Garcia / Segurança e Brigadistas: Grupo Juliani / Chinelos: El Shaday / Atração: Foto Cabine Digital

Lívia - 15 anos

Arapongas, 5 de agosto de 2015

:: Aniversários ::

((( LIVIA 15 ))) from mmarinho on Vimeo.

Theo - Fran, Fernando e Julia

Londrina, 5 de agosto de 2015

:: Ensaios ::

“Quando um bebê decide vir ao mundo, nasce com ele uma mamãe. 

Uma mãe, é mãe desde o primeiro instante. Mesmo quando a vida ainda é um minúsculo ser implantado no ventre, a gente já é mãe do coração. Todo nosso pensamento, todo nosso cuidado se volta para esse serzinho que, tão minúsculo, já provoca emoções tão grandes.

Ela tem a capacidade de ouvir o silêncio.
Adivinhar sentimentos.
Encontrar a palavra certa nos momentos incertos.
Nos fortalecer quando tudo ao nosso redor parece ruir.
Sabedoria emprestada dos deuses para nos proteger e amparar.

Sua existência é em si um ato de amor.
Gerar, cuidar, nutrir.
Amar, amar, amar...
Amar com um amor incondicional que nada espera em troca.
Afeto desmedido e incontido, Mãe é um ser infinito.”